Design sem nome.png

POR QUE A MEMÓRIA LGBTQIAP+ INCOMODA TANTO?

CASTRO - Logos_02.png

Estamos na metade do ano de 2022 e este já configura um marco para a memória LGBTQIA+ brasileira por vários motivos. Enquanto vemos a representatividade ganhar força na sociedade, alguns fatos acendem um alerta de muita preocupação:

 

- O número de assassinatos de pessoas LGBTs teve um aumento de 8% no último levantamento divulgado pelo Grupo Gay da Bahia. Foram 300 pessoas mortas de forma violenta em 2021.

- Partidos políticos investiram, nas últimas eleições, menos de 2% do teto em candidaturas LGBTs. Esse número foi pelo #VoteLGBT.

-  A Justiça de São Paulo determinou o fechamento do Museu da Diversidade Sexual da capital após uma ação movida por um político conservador.

- A pauta conservadora e homofóbica continua ganhando força dentro e fora da política.

Diante destas inquietações, apresentamos marcos e conquistas da comunidade LGBTQIA+ a partir da década de 197O.
Abaixo, é possível ver esses marcos de forma interativa ao clicar nas imagens. 

11-2012.png

PELA IMEDIATA REABERTURA DO MUSEU DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SP!

No último dia 29 de abril a notícia do fechamento do Museu da Diversidade Sexual (MDS) do Estado de São Paulo surpreendeu a todes, principalmente a nós, do Coletivo Arouchianos LGBTHQIAPD+ que defendemos a manutenção, ampliação e permanência do MDS na região da República / Largo do Arouche, um dos maiores e invisibilizados bairros LGBTQIAPD+ do mundo.